sexta-feira, 2 de junho de 2017

Focaccia de Alho Selvagem

Já conhecera muitas, mas nenhuma como aquela!
Parecia esconder um segredo, guardar um mistério que urgia ser desvendado. Olhando-a com atenção não era possível discernir a sua idade, era como se  o tempo não existisse para ela e a beleza que irradiava fosse eterna. Emanava um aroma familiar, tantas vezes sentido, não era um perfume, mas trazia consigo memórias de conforto e aconchego. A cada passo mais se embrenhava nela, embriagado pela sua presença não se sentia estrangeiro, tinha a sensação de lhe pertencer, de ser parte dela e ela parte dele! Sentia-se insano porque estava a vê-la pela primeira vez!


Estive uma semana na Dinamarca, passei  dois dias em Copenhaga e depois rumei a Aarhus, a segunda maior cidade deste país nórdico, onde mora a minha filha. Fiquei fascinada com as suas florestas, tão diferentes das nossas! Apesar de ser primavera, uma grande parte do chão cobria-se com um manto de folhas secas, lembrando o outono e as árvores ainda se apresentavam despidas. A vegetação que se encontrava era rasteira, muito viçosa, no ar sentia-se o cheiro inconfundível de... alho! Sim alho, cheirava assim porque as folhas verdes pertencem a uma espécie chamada "Allium ursinum", alho de urso ou alho selvagem, trata-se de uma planta com grande valor medicinal e é comestível! 


Fiquei de imediato curiosa  e com um grande sorriso de satisfação!  Apesar de estar de férias não resisiti a colher, provar e experimentar este novo ingrediente! Fiz tudo isso lá em casa da minha filha e trouxe algumas folhas na bagagem e uns pés com raiz para ver se resistem por cá. Certamente não terei sorte, pois gostam de solos frios,  dai existirem em países do norte da Europa.


No início de Abril, quando lá estive, ainda não tinham flores, mas já se viam os botões. Os pés que trouxe comigo, pouco depois floresceram. São singelas e tão lindas as alvas flores de alho selvagem, também elas comestíveis.


Os amantes de alho vão certamente gostar muito destas folhas que se podem usar como tempero, em saladas, pesto, etc. Também é usado em sopas, quiches... embora ao ser cozinhado perca o sabor a alho. 
Preparei uma  aromática focaccia com algum do alho selvagem que trouxe. Bem sei que a maioria não poderá replicar esta receita, mas podem usar espinafres e o nosso alho comum e obter algo semelhante em aspeto e sabor.


Focaccia de Alho Selvagem
(Adaptação de My Food Memoreis de Jamie Oliver)

Ingredientes:

500 g de farinha de trigo para pão (T 65);
1 saqueta de fermento de padeiro (15 g);
1 colher de chá de sal;
350 ml de água tépida;
1 colheres de sopa de azeite.

Molho para cobrir: 

1 molho de alho selvagem;
sal marinho grosso;
azeite q.b.



Execução:

Misture o sal com a farinha. 
Dissolva o fermento na água tépida e junte o azeite.
Adicione à farinha e envolva.
Amasse durante 5 minutos, coloque  a massa numa tigela e cobra com pelicula aderente ou um pano de cozinha húmido e deixe levedar durante 1 hora.

Prepare uma pasta triturando o alho selvagem com o sal e o azeite (como se fosse um pesto).

Unte um tabuleiro fundo com azeite e polvilhe com pão ralado, salpique com sal.
Coloque ai a massa de modo a cobrir o fundo do tabuleiro. Espalhe o molho sobre a massa e com as pontas dos dedos pressione até tocar no fundo do tabuleiro, criando assim textura. Podem-se introduzir algumas folhas enroladas na massa. Salpique com sal grosso.
Deixe levedar novamente mais 1 hora, cobrindo o tabuleiro com um pano húmido.
Pré-aqueça o forno a 220º C.
Deixe cozinhar durante 20  a 25 minutos.


Fiz esta focaccia duas vezes e foi devorada em pouco tempo. Que pena a nossa floresta não ter esta espécie! Temos outras bem sei, não se pode ter tudo!



Foto de Nádia Gonçalves

Foto de Nádia Gonçalves

A minha filha teve a gentileza de me enviar estas belas fotos com o alho selvagem todo em flor, é um encanto esta floresta!

Sem comentários:

Enviar um comentário